...Já nos trinta e no seguimento do BláBlás do Dia a Dia...mais um punhado de rumores...lol...e ainda sem pretensão a Nobel da Literatura ;)

terça-feira, 9 de janeiro de 2007

Reflexões...parte I eu suponho


Li em qualquer lado que por volta dos 28, 30 anos começamos a mudar de algum modo a nossa personalidade, uma vez que o verdadeiro "eu" evidencia-se para o exterior e até para nós próprios. A explicação está nos planetas, nos astros, nos ascendente...qualquer dia falo nisso.
Acreditando ou não no mundo da astrologia, isto porque nem é preciso acreditar no que quer que seja para as coisas acontecerem...sinto que de algum modo de há uns meses para cá a minha personalidade se tem vindo a alterar...e não tem nada a ver com o meu aspecto físico, porque esta sensação é anterior á minha perda de peso...por outro lado os aspectos da minha personalidade que eu noto alterados, nada têm a ver com questões físicas...
Vi recentemente um filme no cinema, "Estranhos".
A situação é a seguinte: várias pessoas estão num armazem inconscientes, umas amarradas outras não, e vão acordando aos poucos; não se conhecem entre si porque estão amnésicas...mas pelas pistas que encontram no tal armazém apercebem-se que ali estão dois grupos distintos:uns são cidadãos comuns, honestos, trabalhadores...outros são criminosos da pior espécie. A questão é que como estão amnésicos ninguém sabe quem é quem...O problema é que nenhum deles quer ser o mau da fita, mas todos e cada um deles tem a consciencia que tanto pode ser como não ser...e essa (in)consciencia de si próprios é arrasadora...
Adiante.
Noto com alguma decepção comigo própria que não sou tão ligada às pessoas quanto eu pensava que era, ou melhor, quanto eu sempre pressupuz que era ou quanto eu acho que deveria ser...Numa primeira abordagem sinto que não há nenhum problema, que cada um é como é, e desde que possamos todos conviver em harmonia "ta-se bem".
Mas este sentimento, e acima de tudo, o reconhecimento deste sentimento influencia vários aspectos da minha vida, porque acho que de alguma maneira sempre tentei compensar este meu distanciamento com uma certa relutancia em dizer "não", outras vezes colocando-me numa posição desfavorável em relação ao outro...E isto tem-me vindo a moer até á exaustão...
Não sei bem o que pensar disto tudo...
Porque se eu fosse assim e pronto, nada mais havia a dizer...era um defeito ou "característica distorcida" da minha personalidade...Mas eu sou assim e acho que sempre tive uma certa vergonha de ser assim, mesmo antes de o saber...
E agora que já me apercebi que detesto ter que telefonar só porque sim, ter que conviver só porque sim, ter que sorrir para pessoas para quem não me apetece mesmo sorrir e ter que dizer que "sim" a tudo!..
Vou ter que tomar uma atitude em relação a isso...Acho que vou ter que ser mais rigida comigo própria neste aspecto e não tentar compensar o meu desprendimento...vou ter que aprender a dizer que "NÃO"...e sempre que for confrontada com esta e por esta minha resposta vou ter que respirar fundo e dizer que "não" porque não me apetece, porque não quero , porque não concordo e acima de tudo porque quero começar a fazer as coisas que realmente sinto, não me quero sentir pressionada por parametros sociais de que as pessoas devem agir de uma determinada maneira, porque se não agirem não são boas pessoas...
Será que por eu ser desprendida assim me torno menos amiga, menos humana?...Será que por não estar sempre a telefonar, por não morrer de saudades da maior parte das pessoas que conheço, por não sentir uma necessidade "por ali além" de andar sempre a visitar amigos e familiares, por ser aversa a grupinhos, a clubes...Será assim muito mau? :(
Não é pior acontecer como tem vindo a acontecer, eu pôr cara alegre e ficar angustiada o resto do tempo por ter uma familia completa de sapos dentro de mim que estou farta de engolir...?Será a minha insegurança que me impede de me assumir tal como eu sou?
Será que afinal eu não sou assim tão desprendida e afinal não gosto é de fazer tudo obrigada, criando sentimentos artificiais, porque os reais não existem e eu tenho tanta vergonha/insegurança por isso que tenho que criar estes sentimentos artificiais e dizer que "sim" a tudo...

15 comentários:

Inês Moreira disse...

Bom dia,
Olha até parece que me estava a ler :-) impressionante! Tb eu estou nessa fase de introspecção e de "decisão" da minha personalidade.Estou em fase de mudança sem dúvida! A entrada nos 30 e sem dúvida uma decada diferente e acho que bem melhor.
kissinhos

juanita disse...

Olá

bem ao ler o teu post percebi o qt somos parecidas...mas eu já tou nos 30 e isto já vem de trás!!
felizmente (ou infelizmente, não sei) sou uma pessoa "desprendida" e não faço o favor de me rir só pq os outros acham que deve ser assim...sou amiga do meu amigo sim (sem duvida) mas tb não sou do género de estar sempre a ligar!!
para mim (e tu já o sabes) o meu marido e filho são as pessoas mais importantes da minha vida, e sem eles eu não vivo de certeza...em relação a outras pessoas (familia ou amigos) posso bem viver sem ter de conviver com eles!
é um bocadinho esquesito dizer isto, mas é o que sinto! é lógico que tenho amigos, amigos verdadeiros com os quais me preocupo (mas não sou só eu que tomo a decisão de os procurar, eles tb me procuram), acho que a amizade tem de partir dos 2 lados (senão não é amizade)...em relação a familia (sabes um pouco da minha historia) já estou habituada a viver sem a sua ajuda, as suas visitas ou os seus telefonemas...se calhar é por isso que ou um bocadinho "fria" em certas situações!
Não acho que seja um defeito...acho que é uma maneira de estar e de me proteger de algumas desilusões, percebes???

espero que encontres o teu ponto de equilibrio!
acho que acima de tudo devemos estar bem conosco próprios!!

beijocas grandesssssssssssssssssssss

http://divagandovida.blogs.sapo.pt disse...

oi!! a sinceridade acima de tudo , fazes muito bem em ser sincera contigo Mesma! bjs

amlm disse...

ola framboesa
Começo primeiro por dizer que adorei o dálmata a perder as pintas ta mta engraçada a imagem.
E agora vou tentar dizer alguma coisa de útil;)
A verdade é que volta meia volta todos nós nos questionamos sobre nós próprios e a relação com os outros.
E é mais que natural ficar confusa.
ALiás eu acho é que a maior parte das pessoas "choca" um pouco connosco quando começamos a perceber que queremos mudar.
As pessoas habituam-se (o que na minha opinião é muito mau) a ver-nos sempre da mesma maneira, a esperar sempre o mesmo de nós.E nós às vezes até vamos um pouco contra a nossa individualidade só para não magoar os outros.
Porque é isso que eles esperam.
Também eu agora não sinto quase necessidade nenhuma de estar sempre ao pé dos outros ou sempre a tentar apaziguar os ânimos.
Porque a verdade é que também há um certo número limite de sapos que alguém pode aguentar.
Compreendo que isto seja tudo confuso mas se calhar tudo isto é bom.Na minha opinião é sinal que encontraste as tuas "pintas". Elas semrpe estiveram lá mas agora tu aceitaste-as como tuas.
Para te dar um exemplo uma das minhas melhores amigas e também melhores pessoas que conheço é totalmente desprendida.Não me liga todos os dias, às vezes só falo com ela de duas em duas semanas mas a verdade é que é das poucas pessoas com quem conto agora.È a personalidade dela que é mesmo assim e não e por isso que quem gosta dela duvide que também ela gosta de nós.
Quando convivo com alguém que precisa desesperdamente de marcar a sua presença, que tem que estar ocupada das 8h da manha as 24h, porque o resto é a dormir só concluo uma coisa:ali está alguém que tem demasiado medo de ficar sozinha, de reflectir, de mudaro que está mal.Apenas escolhe não reflectir.
Moral da longa história (sorry): sê quem tu queres, não te inibas de dizer não a ninguém se é o que te apetece, nao faças o politicamente correcto pois cm dizia o outro tu é que lidas contigo próprio diariamente.E tens de lidar com as decisões que tomas.
O problema não e bem teu e dos outros que não estão habituado a alguém que responda não porque naõ quer fazer algo ou que diga a sua opinião sem medos e sem preocupações.
O mundo está a tornar-se cada vez mais hipócrita e cada vez mais um jogo do uso e desuso.As pessoas usam-se sem medos e para se sentirem melhor.
Não penses que por conviveres menos es pior amiga ou familiar o importante é que as pessoas sabem que podem contar contigo, basta telefonarem.
Bem fiz para aqui um discurso algo desconexo mas espero que percebes alguma coisa lol
um bom dia para ti e força
beijinhos

Luna disse...

Linda estava a ler-te e revi-me em muitas das coisas que tu falas e sentes e dizes...
Sabes eu já fui mto do tipo de ir atrás do outros, fazer o que os outros queriam, pensar em ligar mais vezes, procurar mais... porque achava que se n fizesse isso dessa forma e para agradar não era aceite, pensava que me ia sentir sozinha, sem ninguem que gostasse de mim...
Mas, o que é certo é que mtas vezes me transformava numa pessoa que não era eu... bebia para rir, para falar, para conviver mais, ouvia musica que mtas vezes não queria, e mtas vezes saía e levava os amigos aqui e ali (eu era das poucas pessoas q tinha carro) só para poder sair também e me divertir... ainda que nalgumas vezes pouca vontade tinha...
A verdade é que saía... sim e muito... mas interiormente não era feliz, sentia-me mtas vezes vazia, triste e ainda que rodeada de gente, muito sozinha.
Hoje penso nisso mtas vezes e no valor dessas amizades... e a verdade é que se não formos nós a ligar, a procurar, a ir atrás parecem que os ditos amigos se esquecem que nós existimos... até à mais ou menos 2 anos atrás preocupava-me imenso com isso, e ligava , mandava mails às pessoas, sms de vez enqdo... mas hj pergunto-me para quê?
Cheguei à conclusão que não pode ser sempre o mesmo lado a fazer as coisas... e hj sei que se as pessoas querem contar cmg, ser minhas amigas não podemos permanentemente mostrar aquilo que não somos... e, as pessoas que me conhecem verdadeiramente ( o meu amor, familia, e vcs - sim que me conhecem melhor que mtos amigos que tive e tenho no dia a dia) aceitam-me e gostam da minha companhia, de falar... por isso linda, acho que tens sempre que ser tu mesma, fazer o que realmente te apetece, sem fretes, sem ligações sem vontade...
Hj vejo que poucos amigos tenho é um facto, mas sinto-me tão melhor assim do que sair só por sair, ou estar com quem não quero... a vida sabe tão bem melhor, qdo fazemos dela o que queremos e a vivemos sem fretes! :)
Beijinhos minha linda e força!
Ah e desculpa o testamento... alonguei-me né :P

Luna disse...

Oh minha linda, então tu achas q eu ia apagar um comentário teu? que gosto tanto... ni nã nã... acho que não deve ter sido postado :( :( se quiseres escreve outravez que eu gostava mto de ler :)

Beijinhos linda

Jojozinha disse...

Olha frambo linda tás melhor que eu que mal sei se sou desprendida Às pessoas ou não!

estas reflexoes e problemas existencias deixam-me tão confusa...

:S

Eu percebi tudo o que escreves-te! Mas nao sei como te ajudar, nem a ti, e mt menos a mim! :S

Se calhar é pk ainda tenho 17 anos...certo?
:S

e se eu chegar aos 29 anos e ainda nao sabeR?

Ok, nao ha de ser grave...

Mas vou aqui fazer um processo de despersonalização e abstrair-me da minha vida e de mim:

Axo k o mais importante nisto tudo é sentirmo-nos bem connosco! Se te sentes bem por seres simpatica para os outros, e por tentares agradar os que te rodeiam, tudo bem... mas acho que mesmo assim vais te sentir incompleta porque nao vais viver a tua vida! Vais viver a vida deles, vais faze-los felizes, vais agrada-los, vais protege-los... ok, podes te sentir totalmente feliz por isso, mas só se fores a reencarnação da Madre Teresa de Calcutá! E nem todos temos que ser como ela! Como ja me disses-te mtas vezes, somos humanos e DIFERENTES! E tu não tens de viver tanto da aparencia como vives! sim, pk agradar os outros e nao a nos é viver da aparencia, é viver a vida dos outros, e nao a nossa!
Pkê k tens k sorrir para uma pessoa que não te faz lembrar nada de nda? Para seres simpatica? E desde quando é que tens k ser simpatica para tudo e para todos...

Aí está, nao tens! Tens k ser simpatica para ti e para aqueles k realmente gostas...
Viver a vida dos outros é em certa forma uma maneira de fugirmos da nossa, é não sermos tão forte como queremos no fundo ser!

De certeza k tb nao vais ser feliz ao tratares mal tudo e todos sempre que te apetecer! Pk a tua consciencia já está moldada e nao o vai permitir! Mas para tudo na vida tem que haver o meio termo, e cabe-nos a nós proprios descobri-lo!


Bom trabalho!

Jojozinha disse...

Olha frambo linda tás melhor que eu que mal sei se sou desprendida Às pessoas ou não!

estas reflexoes e problemas existencias deixam-me tão confusa...

:S

Eu percebi tudo o que escreves-te! Mas nao sei como te ajudar, nem a ti, e mt menos a mim! :S

Se calhar é pk ainda tenho 17 anos...certo?
:S

e se eu chegar aos 29 anos e ainda nao sabeR?

Ok, nao ha de ser grave...

Mas vou aqui fazer um processo de despersonalização e abstrair-me da minha vida e de mim:

Axo k o mais importante nisto tudo é sentirmo-nos bem connosco! Se te sentes bem por seres simpatica para os outros, e por tentares agradar os que te rodeiam, tudo bem... mas acho que mesmo assim vais te sentir incompleta porque nao vais viver a tua vida! Vais viver a vida deles, vais faze-los felizes, vais agrada-los, vais protege-los... ok, podes te sentir totalmente feliz por isso, mas só se fores a reencarnação da Madre Teresa de Calcutá! E nem todos temos que ser como ela! Como ja me disses-te mtas vezes, somos humanos e DIFERENTES! E tu não tens de viver tanto da aparencia como vives! sim, pk agradar os outros e nao a nos é viver da aparencia, é viver a vida dos outros, e nao a nossa!
Pkê k tens k sorrir para uma pessoa que não te faz lembrar nada de nda? Para seres simpatica? E desde quando é que tens k ser simpatica para tudo e para todos...

Aí está, nao tens! Tens k ser simpatica para ti e para aqueles k realmente gostas...
Viver a vida dos outros é em certa forma uma maneira de fugirmos da nossa, é não sermos tão forte como queremos no fundo ser!

De certeza k tb nao vais ser feliz ao tratares mal tudo e todos sempre que te apetecer! Pk a tua consciencia já está moldada e nao o vai permitir! Mas para tudo na vida tem que haver o meio termo, e cabe-nos a nós proprios descobri-lo!


Bom trabalho!

Jojozinha disse...

Ohh... desculpa, foi duas vezes, apaga um! :)

Verinha disse...

Tou nessa fase há pelo menos um ano... talvez seja a aproximação dos 30, talvez não...
Ao contrário de ti, tomo outro tipo de decisões e busca de um novo rumo... Sou quase sempre eu que procuro, sou quase sempre eu a amiga que está pronta a ouvir, sou quase sempre eu a sofrer por isso.
Aquilo que tu és, gostava de ser eu um pouquinho... despreocupada com os outros, deixar andar e manda-los a fava por todas as indiferenças que por vezes sinto deles... mas isto só me dá 1/2 meses e depois passa, voltando a mesma Verita de sempre a sofrer com a situação...
Não sei A. acho que todas nós buscamos um ponto de equilibrio, eu tento encontrar o meu e tu o teu, mas no fundo o que interessa mesmo é aquilo que a Juanita já referiu, é estarmos bem e sermos felizes connosco próprias :)

Jokas Equilibradas ;)

Cleopatra disse...

Olá
Acho que é a tua insegurança.
E penso que essa mudança tem a ver com maturidade. Não tou a dizer que eras imatura, tou a querer dizer que acho que todos nos chegamos a uma altura em que não queremos fazer só pk fica bem.
Acho que nos cansamos de ser perfeitas e passamos a achar que somos humanas.lol
Então quem gosta gosta quem não gosta azar.
Bjs

andreia disse...

ola minha framboesa linda :) tu passas te a noite a pensar nisto não foi? para ás 8.45 publicares um post desta profundidade... eu acho que akilo que tas a sentir tem haver com o facto de ja nao seres uma menininha disposta agradar a tudo e a todos... pois antigamente era de certeza a tua forma de ver as coisas... não vou dizer pra nao magoar... nao vou fazer pra nao decepcionar... mas agora a tua paciencia ja nao é a mesma :P tb tem limites nao é miga! e a vida ensinou te que deve bater o pé e parar de dizer sim a tudo e a todos e começares a pensar um pouco mais em ti...
beijos amiga com carinho!

Lilli Marlene disse...

Vim agradecer seu comentário e desejar que neste novo ano você tenha 2007 motivos para sorrir... _______0__o_o__o_0_0_o_o__0 ______0___o__o__o0_0__o_o__0 _____0___o__o_o__0_0__o___o__0 ____0_o___o___o__0_0___o___o__0 ____00o0000o00o0o0_0o00o00oo0oo0 ___000o0o00000o000_000o00o0o000o0 ___00000o000o000o0_000o000o00000o0 ___0o00oo00o0o00o0__0000o0o0o00000 ___0o0o00000o00o0___000o0o0o0o0o00 ____0o0o0000o0o0_____0000o00o00o0 _____0000o0000________ 00o000o000 ______0000000___________0000000 ________00______ FELIZ_______00 _______00_______ 2007________00 ______00_____________________00 _____00________TIM-TIM!!!_______00 ____00__by:_______________00 _000000_________=^-^=_______00000000 Desejo a vc e sua família tudo de bom, muita paz, alegria e saúde, pq o resto a gente conquista com muita força de vontade. FELICIDADES!!

Vc que é muito linda.....

Ana disse...

Nem sei o que dizer, tenho as palavras certas na cabeca mas nao as consigo escrever, mas sei exactamente como te sentes....
Ana Felpuda

Gioconda disse...

E vais rumo aos 30.... eu que já estou nos 40 sinto exactamente isso tudo que aqui descreves e só agora começo a ter a coragem suficiente para dizer não quando me apetece... e mesmo assim ainda não tenho algumas hesitações...